Kaique Cerveny: “era meu sonho participar do TCB”

Ele foi o grande nome do TCB esse ano. Kaique Cerveny surpreendeu a todos e levou para a casa o título de Campeão da Elite do TCB 2019. O atleta da CrossFit Bauru falou com exclusividade com a nossa equipe e contou um pouco mais sobre suas metas dentro do CrossFit e sua preparação para o OPEN, visando o Games do ano que vem. Quer saber um pouco mais sobre Kaique Cerveny, o homem que desbancou grandes nomes do CrossFit Nacional e levou para casa o título mais importante do país? Então acompanhe a nossa entrevista:

Como você conheceu o CrossFit?

Então, o CrossFit apareceu na minha vida quando eu ainda fazia musculação. Na época eu tinha um personal que começou a buscar informações sobre o CrossFit e fez o level 1. Depois disso, começou a implantar alguns exercícios e wods nos meus treinos. Porém, no começo foi difícil e eu achava bem estranho por conta da coordenação motora que exigia alguns movimentos. Mas logo eu peguei o gosto pela coisa.  

Já praticou outros esportes?

Nossa, eu já pratiquei muitos esportes. Futebol, tênis, skate, vôlei, entre outros. Aliás, o futebol era o que eu mais tentei levar a sério, mas acredito eu que não tinha muito talento pra isso (risos). Depois disso fui pra musculação e fiquei lá até conhecer o CrossFit.

O que te atraiu dentro do CrossFit?

Acho que além de ser um esporte competitivo. Quando percebemos as melhoras que ocorrem na performance, isso se torna incentivo tão grande que te faz buscar mais e mais. Por isso, acho que isso é uma das coisas que mais me atrai no CrossFit. Mas claro que não dá pra deixar de lembrar do companheirismo e comunidade que esse esporte proporciona.

Você hoje vive do CrossFit ou tem outra profissão?

Hoje eu estou bem focado nos treinos e na carreira do CrossFit. Mas ainda sigo cursando nutrição.

 Como é a sua rotina de treinos?

Ultimamente eu tenho feito de duas a três sessões por dia. Geralmente a primeira sessão acontece por volta das 8h, a segunda as 13h e terceira as 17h/18h. Mas três sessões acontecem apenas em dois dias da semana.

Quem são os seus coaches?

Hoje os meus treinos vem todo do CrossPerformance, onde tem como coach o Éder Costa e Diego Palomares.

Como você vê a evolução do CrossFit dentro do Brasil?

“Bicho”, certamente vem crescendo muito. Mas o mais bacana de tudo é o quanto as pessoas vestem a camisa do esporte independente de qualquer coisa. Além dos atletas, muito bons, que vem aparecendo cada vez mais, eu percebo a parte “comunidade” do CrossFit. Convivendo em diferentes box, consigo perceber o tanto de grupo de amizades que foram criados e acho que isso é uma das coisas mais positivas que representam esse crescimento.

Como foi para você poder participar do TCB e vencer? O que isso significa para sua carreira?

Foi “animaaal”. Era meu sonho participar do TCB. Mas sinceramente , eu não esperava ganhar esse ano. Porém, a vontade e o foco para isso eram gigantescos. Mas eu não esperava. Por isso, para mim, acho que isso foi o início de um novo ciclo, um sonho realizado e que vai abrir portas para outros sonhos ainda maiores.

Qual o workout que você se sentiu melhor fazendo e qual o mais difícil de realizar em todo o TCB?

Acho que a melhor prova pra mim foi o “Murph Boladão”. Pois eram movimentos que eu gosto muito e que consegui encontrar um ritmo extremamente bom e constante durante toda a prova. Contudo, a prova mais difícil para mim foi a “Metastase”. Porque nela tinha um movimento que é um dos meus pontos fracos (HSPU). Afinal, mesmo tendo chegado nesse movimento antes dos outros, eu travei um pouco por fadiga.

Agora, após o TCB qual será o seu foco dentro do CrossFit?

Agora já começamos a pensar no Open. Até pensei que teria uma folga maior. Mas por conta da mudança do calendário, já voltei a treinar forte pra conseguir chegar bem.

O que o Kaique Cerveny ainda espera atingir dentro da sua carreira como atleta?

“Cara”, seria errado eu dizer que não quero ser o campeão mundial. Porém, talvez ainda seja estranho eu dizer que quero isso pra mim. Mas eu prometi para mim que iria trabalhar todos os dias para alcançar o que muitos pensam ser impossível.

Ainda teremos o Kaique Cerveny competindo esse ano?

Esse resto de ano eu preciso me organizar por conta do calendário do Open. Mas é bem provável que ainda participarei de algumas competições.

 Quem são os seus patrocinadores?

Hoje eu conto com o apoio de três empresas. Nutramedic como farmácia de manipulação, e BScross e Nórdico de roupas.

Deixe um recado para os seus fãs e quem acompanha o seu trabalho?

Bom, eu vou dizer algo que eu levo comigo sempre que me proponho a alcançar um objetivo. No caso é: “muitos irão dizer que vai ser difícil, ou até mesmo impossível, mas apenas uma pessoa sabe aonde você quer chegar e ela é VOCÊ. Então antes de desistir de um objetivo ou um sonho, lembre-se o porquê você quer aquilo e lembre-se de que você pode ser diferente daqueles que fracassaram e pararam de tentar. Tente sempre mais uma vez, e nesse caminho você irá aprender, amadurecer e criar alguém novo dentro de você”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *